Feeds:
Posts
Comentários

Temperaturas

Eu sei que são três e cinco enquanto o moço pincela perfume de margarina sobre o milho quente. Meus dentes escorregam em delícia como quem entra no país de Alice.

O pianista do café da esquina arranha um jazz e o inverno me vem precoce na tua ausência.

Só agora noto que a parede descasca.

Por que a gente só ouve “My funny valentine” depois que os amores se vão…

O apetite vai comprar cigarros e não volta. Como você…

Enterro meu corpo em leituras e textos. Quem sabe os dias passam.

Autores me oferecem sorrisos sem data de vencimento.

Um dia novo, num mês outro chega e eu agradeço o vizinho por aumentar o som da vitrola. “Chovendo na Roseira”… Tom Jobim me lembra o recomeço. Primaveras…

O passado pede licença e se recolhe como a boa e velha música clássica na estante, para uma tarde ser apreciado sem me depreciar.

Já não são mais três e cinco. A vida pega bicicleta e dá voltas. Abre o sol. Eu também.

Fora do Compasso

Original não é apelido de cerveja; please, criaturas, criai-vos! Ao invés de brioches, criatividade para esse povo que vive da chepa das imitações baratas. Sem demagogias, pulo o couvert e vou direto aos finalmentes: vai ver se eu cover lá na esquina! Que xerox é coisa de quem não pinta a vida com pilot Lumicolor. Cada olho tem uma côr para as entrelinhas do verso. Aliás, algum idiota espalhou que para fazer poema tem que combinar o fim das palavras. A estatística me faz estática e o mundo estético me faz apática. Absolutamente fora da gramática, esqueço a regra de ser super simpática. O som casou e o mundo ficou mais triste. Alguém desafina, por favor, que essa danada da repetição faz o game ficar over. Fim. Poderia acabar por aqui. Ao invés de ponto, uma vírgula, por favor, maestro!Talvez eu queira experimentar as curvas da estrada de Santos. É preço alto não seguir em linha reta, eu sei. No cheque pré, deixo margem pros erros e tropeços. Prefiro o descompasso do que dez com passo de um. Que Jeans tamanho único nunca me caiu bem nas pernas.

Red

O espelho me acusa de sumiço. Em cinco minutos o dedo suja meus lábios com batom cor de sangue.
Como quem sublinha em letras garrafais o segredo mais elementar da humanidade: somos todos feitos de carne. Somos todos VERMELHOS.
Vermelho-vontade… Ferrari-rubi.
Ao virar meu olhar para a esquerda, lembro da China comunista e me aquieto por cinco minutos.
Os cinco minutos me são caros vermelho dor de coração.
Vermelho que arranha a garganta num grito que me diz mulher.
Cabelos castanhos que se querem ruivos. Uivos. O vinho é tinto, por favor.

Vontade de me chamar Eva. Que pecado, se fôsse côr, não teria dúvida.
Lua cheia, intensa que só ela, como fêmea que menstrua e experimenta a gula de cerejas.
Desejo que soa como arte marcial: na luta a faixa vermelha é a mais difícil de ser obtida.
Difícil conter esse Vermelho que se catapora de significados….
Que Vermelho é moça arteira.
E arte não entende de discrição.

Michael-Jackson-p06 As avós já diziam: “É de menino que se torce o pepino.” E alguém era burro de tentar segurar aquele moleque com ginga de negão que fez o queixo de todo mundo cair com seu passinho para trás que todo mundo tentava imitar e ficava amador. Da Motown à Marte, se bobear, quis dar uma passadinha na lua com seu moonwalk. O grande inventor do grande passinho do século XX. Se bobear até um pivete de cinco anos de hoje ainda vai tentar imitar. E quando tentar seu pai vai cantar “Thriller”. O garoto vai gostar sem saber de quem é. E o pai vai dizer que fez muito aquilo nas festinhas.

O mundo não consultou Hitchkock para mudar o significado da palavra Thriller. Em 1982 o nosso menino da Terra do Nunca resolveu fazer seu próprio cinema. Deu o nome de vídeoclip quando botou a imagem pra namorar sua música ainda com sotaque de negão. Sotaquezinho bom esse com cara de língua oficial ou como é que a gente chama o disco mais ouvido na história?

Quem sabe o Olodum que batucou em seu clip no Brasil passe um fax-batucada como um lamento de fãs como eu para  o tchau do menino que encheu daqueles adultos insuportáveis do showbussiness, famintos atrás de resultados que não deixaram mais ele brincar por aqui até que fizesse um novo hit. O menino ficou bravo com tanta pressão. Resolveu se esconder. Botou máscara para ninguém lhe achar. Escondeu-se tão bem que nem ele mesmo se descobriu.

Quem sabe lá no céu nosso astro do pop, que se achava estranho por ter talento numa terra do nunca ser, mas sempre parecer; quem sabe por lá nosso hitchmaker de porcelana possa voltar a sorrir e inventar mais um passo para essa humanidade que não pára de correr sem saber para onde ir.

Dica da semana:

O talento do nosso Michael Jackson vale um momento cabecinha no almofadão para rever Thriller, Bad, I will be there e ABC entre outras. Um pouco de côr nas almofadas, please: Helena Castello Branco – Patchwork

Chocolate

Chocolate…
Em Francês fica mais bonito. Ainda mais se o filme tiver a Juliett Binochet
com seus dedos sujos e sem culpa.

Chocolate…
Ainda me ponho em situação afetiva com o pai de minha mãe, a quem chamo de “vô”, através de uma caixa de bombons.

É quando a mão estendida surge oferecendo-lhe doçuras.

A mesma doçura que ele disfarça com a distância de um exímio professor ao explicar-me, firme e eloquente, as matérias escolares.

Aquelas que eu queria não entender só para ouví-lo.

Silenciosa, nutria-me de afeto a cada pergunta respondida.

Chocolates me faltam no sumiço do diálogo com o marido de minha mãe, a quem
chamo de “paiê”.

Quis tantas vezes oferecer-lhe chocolate ao leite, mas na hora agá, o sabor era amargo: “Vou ficar assim, exagerada como você?”

Em notas de rodapé tamanho 8, permito-me o não-dito: “exagerada sim, mas adorável, como um bom Chocolate…”

Chá com waffle

cha-com-waffle

Inspiração após tomar um chá acompanhado de degustação entre amigos de waffles quentinhos. Tinha para todos os gostos: cebola, queijo, pesto, curry, tomate seco, seguido de banana com canela, baunilha, noz moscada, chocolate e chocolate com avelã. Culpa de uma amiga boa no negócio: a Fátima. Recomendo os quitutes para uma tarde sem culpa de ser feliz, afinal o que faz mal não é waffle, mas ficar na vontade.

Encomendas fatima.ferreiracosta@gmail.com

Auxiliar de portaria

Perguntei quem era ele. Contou-me de sua doença. Operaria amanhã. Voltei a perguntar quem era ele. Disse que havia se aposentado. Insisti que a pergunta ainda não tinha resposta. Vendo que a mãe lhe deu um nome diferente de “diagnóstico”, desembuchou: “eu fui um auxiliar de portaria”. Tinha tudo para pensar “ah, tá, um porteiro”. Aquela dedução lógica não fazia par com o tom do discurso dele. Tinha pompa. Tinha orgulho. Tinha amor. E continuou:” Sabe o que é auxiliar de portaria?”. Seu olhar de quem tem história para contar, me fez ver que a vida não pode ser tão lógica que minha resposta resuma-se em “ah, tá, um porteiro”. Escutar me parecia muito mais rico que falar qualquer coisa. Ele não titubeou: “Um auxiliar de portaria é nada mais nada menos que a porta de entrada de um estabelecimento”. Eu vou perder isso. Deixei que continuasse: “Isso não é pouca coisa não. Muita gente já me pediu informação. E dependendo do meu jeito de recebe-las elas vão subir para falar com o presidente da empresa de um jeito ou de outro. Além do que, muita gente importante já apertou a minha mão e precisou da minha ajuda para não se perder aqui dentro. Fora os que resolvem puxar assunto, enquanto não chega o elevador e me contam a vida toda. Talvez ninguém da família saiba coisas que eu soube. Ai que saudade de acordar com as galinhas, fazer a barba, vestir meu uniforme…”.

Chegou a hora de ouvir outras histórias de outras pessoas. Despedi-me com a absoluta certeza que valeu a pena insistir na pergunta, quando a resposta ainda não fez bem à alma. Ele não se chamava diagnóstico, nem era o leito “y” que operaria no dia seguinte. Ele era o auxiliar de portaria.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.